Doença coloca em risco a sustentabilidade do agronegócio citrícola no país

Doença coloca em risco a sustentabilidade do agronegócio citrícola no país

Neste mês comemoramos o dia do citricultor, a data no Brasil é celebrada no dia 8 de junho e homenageia todos os agricultores que dedicam seus esforços à plantação de frutas cítricas, como limão, laranja, tangerina, abacaxi, morango, acerola entre tantas outras.

O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de citros, tendo a laranja como carro chefe, já que um elevado percentual da fruta é reservado para o processamento industrial, o que tornou o País o maior distribuidor de suco de laranja do mundo.

Esses profissionais são merecedores de todo reconhecimento, já que, o fruto do seu trabalho representa para cada indivíduo um sistema imunológico fortalecido, pois as frutas cítricas são ricas em vitamina C, o que protege o organismo de gripes e infecções, proteção fundamental principalmente neste momento de crise sanitária que estamos vivenciando.

Apesar de serem reconhecidos pela vitamina C, os cítricos também são ricos em vitamina A, o que beneficia a visão, além disso contêm potássio, que evita câimbras e auxilia na pressão arterial.

Para que todos esses benefícios possam chegar ao consumidor os citricultores vêm enfrentando muitos obstáculos, e, o maior deles tem colocado em risco a sustentabilidade do agronegócio citrícola. Trata-se da praga Huanglongbing ou Greening que é uma das doenças mais graves que atinge a citricultura, já tendo arruinado milhares de hectares de plantações de frutas cítricas no Brasil e no mundo.

O greening ataca todos os tipos de citros. A bactéria causadora da doença é a Candidatus Liberibacter spp, e a transmissão ocorre por meio do psilídeo Diaphorina citri, inseto que frequentemente é visto nos pomares nas épocas em que as plantas estão brotando. Não há cura para a planta infectada, pois a doença provoca desfolha, seca e morte dos ramos.

As mudas quando afetadas, não têm força para produzir e nas árvores adultas ocorre a queda prematura dos frutos, e ainda mais grave, a maioria dessas árvores morre em poucos anos. Quando identificada com o greening, a planta precisa ser erradicada.

Para reforçar o combate e controle à doença, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), publicou a Portaria nº 317, no Diário Oficial da União, instaurando o Programa Nacional de Prevenção e Controle da praga. A nova norma estabelece os critérios e procedimentos para a prevenção e a contenção da Candidatus Liberibacter spp.

A Portaria determina algumas medidas que devem ser adotas em pomares que ainda não têm ocorrência da doença e propõe ações imediatas no caso do aparecimento da praga nestes locais. O documento também discorre sobre o controle nos locais onde já existem focos da doença com o intuito principal de evitar a dispersão para outras áreas. Ações de enfrentamento e monitoramento do inseto vetor também constam na nova legislação.

O greening sem dúvidas é uma das doenças mais temidas pelos citricultores, mas assim como essa existem várias outras pragas que prejudicam as lavouras, como por exemplo, o ácaro da falsa ferrugem, as moscas das frutas, a cigarrinha, entre outras.

Para realizar o controle das pestes na citricultura o combate químico com pesticidas torna-se fundamental, mas não basta apenas escolher o produto que será aplicado, é necessário também estar atento ao funcionamento dos equipamentos que fazem a aplicação do fungicida, caso contrário, o produto acaba sendo aplicado de maneira ineficaz.

Para evitar esse transtorno o citricultor pode contar com a tecnologia oferecida pelo Fluxin, a ferramenta desenvolvida pela Agroflux, realiza a verificação dos bicos do pulverizador e aponta em poucos segundos se existe algum tipo de falha no equipamento.

Bicos entupidos ou que estejam com vazão superior ou inferior a programada, tudo isso pode ser detectado pelo Fluxin. No equipamento é possível inserir informações importantes sobre o aplicador. Todas essas informações se transformam em uma análise detalhada que servem como base para o citricultor combater de forma eficiente as pragas de sua lavoura.

O Fluxin é gerenciado por meio de aplicativo de celular, uma das grandes vantagens é a facilidade no manuseio, pois, sua plataforma simples permite que em poucos cliques se obtenha uma análise completa. Além disso, o Fluxin pode ser acessado através de Smartphone ou Tablet, direto do campo e os dados da aferição são gerados em forma de planilhas que podem ser exportadas em Excel ou PDF e compartilhados com toda a equipe. O Fluxin possibilita ainda que esses relatórios sejam identificados com dados da empresa, pois o aplicativo oferece essa personalização.

Para fazer o gerenciamento dos dados que são gerados pelo Fluxin, o agricultor recebe o acesso à DataFlux, uma plataforma que permite manter o trabalho e as análises de forma organizada, garantindo assim o aumento da produção e diminuindo o desperdício de insumos.

A Agroflux entende que, nem sempre, no campo, existe conexão com a internet, então outro grande diferencial do produto é a facilidade de fazer essa conexão com o celular via bluetooth de forma offline. O Fluxin é uma ferramenta portátil e a prova d´água, que utiliza bateria recarregável de longa duração.

A Agroflux oferece um treinamento especializado para o agricultor que adquire o Fluxin, desta forma é possível aprender como lidar com o equipamento, bem como fazer a interpretação correta dos dados.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *