Agroturismo no Brasil precisa de legislação e investimentos para sobreviver

Modelo de turismo ganhou força durante a pandemia por oferecer atividades ao ar livre, distante de aglomerações

As agroindústrias familiares representam importante papel social e econômico no Brasil, principalmente quando se fala do agroturismo. Para deliberar sobre o tema, foi realizado este mês um debate, na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados.

O objetivo central do encontro foi debater as dificuldades vivenciadas pelo setor, diante dos reflexos da pandemia da Covid-19. Outro ponto discutido na ocasião foi a falta de investimentos e legislação específica que o turismo rural enfrenta, tendo em vista a necessidade de buscar incentivos e proporcionar maior visibilidade ao agroturismo, com foco principal nos produtos da agricultura familiar.

Dados dão conta de que, 80% dos empreendimentos relacionados ao turismo rural no Brasil, não estão regularizados. Essa é uma das reivindicações abordadas pela categoria, que solicita que agricultores familiares sejam considerados prestadores de serviços turísticos, com cadastro simplificado no Ministério do Turismo (MTur).

Além disso, a classe pretende que a agricultura familiar possa ser inserida nas Leis de turismo, bem como no Sistema de Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos, (CADASTUR), tendo como principal objetivo, fazer um mapeamento dos produtores rurais no Brasil e aproximar as políticas públicas de turismo do produtor rural.

O CADASTUR é um programa executado pelo MTur, que oferece uma série de vantagens relacionadas ao turismo para o agricultor, como acesso a financiamentos, apoio em eventos e feiras e incentivo à participação em programas e projetos do governo federal, por exemplo.

No cenário pós-pandemia, o agroturismo é apontado como um dos destinos mais buscados pela população, que ainda teme aglomerações e locais fechados. De acordo com o MTur, para os turistas a ideia de saúde e higienização está diretamente relacionada a ambientes ao ar livre, fato que torna o turismo rural uma boa alternativa para a população, diante da possibilidade de fazer viagens de curta distância.

Ao mesmo tempo em que o turismo rural proporciona aos turistas contato direto com a natureza e com produtos naturais, ele representa também ao produtor a oportunidade de vender sua mercadoria e oferecer serviços que variam de hospedagem, alimentação, passeios, artesanato, até entretenimento.

O crescimento do turismo rural auxilia na estabilização da economia no campo, gerando renda e empregos e promovendo a inclusão social, além de possibilitar que a população adquira conhecimento sobre o patrimônio rural ao qual faz parte.

A sustentabilidade do agroturismo necessita de uma estratégia de planejamento abrangente e inclusiva por parte das políticas públicas, já que, os produtores têm feito sua parte buscando formas de oferecer aos turistas uma experiência agradável, oferecendo produtos frescos e de alta qualidade.

Por trás do agroturismo está o agricultor, trabalhando incansavelmente e buscando a cada dia novos recursos para aumentar a produção e garantir o sustento pessoal e também da região. Cenário que inclui o uso de tecnologias, que são cada vez mais utilizadas por trabalhadores do campo.

Reconhecendo a importância do agro para a economia nacional, a Agroflux desenvolveu o Fluxin, dispositivo fundamental para facilitar o trabalho do produtor nas lavouras.

Muitas vezes o produtor segue corretamente os passos da pulverização investe em equipamentos, pesticidas e mão de obra para eliminar as doenças e pragas e, mesmo assim, não obtém o resultado esperado, o que acarreta em continuadas infestações na lavoura. Uma possível causa é a aplicação ineficiente do produto e o motivo é simples, o bico do pulverizador pode estar entupido.

O Fluxin é um aparelho que faz uma análise completa dos bicos do pulverizador, permitindo que a regulagem do equipamento seja realizada de forma rápida, apontando problemas de vazão em cada uma das pontas pulverizadoras.

Fácil de transportar, o Fluxin é um aparelho portátil, resistente à água e se adapta a qualquer tipo de bico, fazendo a leitura em questão de segundos. O diagnóstico é feito por meio de um sensor que é conectado ao pulverizador.

Para gerenciar as leituras, que podem ser feitas diariamente para garantir o máximo de segurança, o agricultor recebe acesso ao Dataflux, aplicativo que recebe via bluetooth as indicações do Fluxin.

O Dataflux gera planilhas e métricas fazendo o cálculo de desperdício, comparação entre os bicos, além de mostrar o histórico de leituras. Todas as informações podem ser exportadas para Excel e PDF e compartilhadas em tempo real, de qualquer lugar.

Apesar da alta tecnologia, o Fluxin é um aparelho fácil de manusear e pode ser manipulado por qualquer pessoa, sem a necessidade de conhecimento tecnológico. Ainda assim, se houver a necessidade, a Agroflux oferece um treinamento especializado, onde o produtor aprende a fazer a interpretação dos dados para potencializar ainda mais os resultados.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *