Escolha correta de pulverizador e ponteira garante maior produtividade na lavoura

A proteção da cultura no campo é um dos fatores-chave para o sucesso da plantação em termos de rendimento e rentabilidade. O uso de defensores deve ser criterioso, seguindo padrões que conferem segurança ao produtor e ao consumidor, eliminando as pragas que provocam perdas consideráveis. Nesse sentido, a escolha certa de pulverizador e o uso do bico adequado garantem que não haja desperdícios, evitando custos elevados ao agricultor e danos ao solo e ao ambiente.

Quando se fala em aplicação terrestre de agrotóxicos, temos opções manuais e automatizadas de pulverizadores que dão conta de diferentes tipos de plantação. O controle de pragas em áreas menores permite o uso do tipo costal, prático e possível de ser utilizado em variado número de cultivos. Outro modelo difundido em produções pequenas e médias é a pistola pulverizadora, que utiliza sistema de ar comprimido.

Dentre as opções mecanizadas, um exemplo é o pulverizador automotriz, que possui grandes tanques e barras de tamanhos diversos, capazes de armazenar grande quantidade de defensivos. Geralmente utilizado em tratores, são indicados para áreas extensas.

A escolha do pulverizador certo para o tipo de cultivo se casa com a necessidade de uso de ponteiras específicas para o modo de aplicação. Sem o uso adequado, certamente haverá desperdício e o produtor irá observar impactos negativos no rendimento da lavoura. A função dessas ponteiras é definir o tamanho da gota e seu direcionamento na aplicação, que devem variar de acordo com o alvo.

O cultivo de soja, por exemplo, requer no final do ciclo a aplicação de fungicidas e inseticidas na forma de gotas finas e muito finas. De forma oposta, a aplicação de herbicidas para dessecação ou em casos de pré-emergência requer a utilização de bicos que promovam a saída de gotas muito grossas.

Já no caso de coberturas maiores, como na aplicação de herbicida de contato, recomenda-se aplicação em gotas médias e grossas. E é preciso considerar, ainda, a forma de saída dos defensivos, já que a ponteira pode formar jatos direcionados, mais amplos ou com concentração variada no centro, formando por exemplo um “efeito guarda-chuva”.

A calibragem e a manutenção dos bicos dos pulverizadores são fundamentais para que a dose recomendada seja alcançada. Para facilitar a vida do agricultor, a Agroflux desenvolveu o New Fluxin, dispositivo instalado no pulverizador que detecta problemas nos bicos garantindo a vazão adequada à aplicação. Em questão de segundos e de forma simplificada, ele aponta a correção necessária nas ponteiras para que o despejo de produtos ocorra em alto rendimento.

E, com o sistema de gestão DataFlux, que envia dados ao celular ou computador via bluetooth, o produtor rural tem acesso a diversos relatórios e planilhas que facilitam a gestão da cultura, garantindo uma administração especializada que trará ganhos financeiros e logísticos às pequenas e médias lavouras.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *